segunda-feira, 11 de abril de 2011

Ori Malu (A Cabeça de Boi)

Ori Malu é um ritual realizado em algumas Casas de Candomblé da Tradição Nago Ketu. Muito embora, o ritual seja de grande importância, o mesmo está se perdendo ao longo dos anos, sendo que a grande maioria das Casas de Asè, estão localizadas no perímetro urbano das grandes cidades.
O Ritual do Ori Malu, inicia-se na verdade, com a programação da compra do Boi, escolhido pelo Òrìsà, por intermédio do jogo de búzios realizado pelo Sacerdote. Esse Boi, é encomendado à um sitiante das proximidades da Casa de Candomblé, sendo combinando com o mesmo, o dia e hora do sacrifício.
Em uma quarta-feira anterior a festa de Ode, todos os filhos de santo deve pousar no Asè, passando por algumas obrigações realizadas pelo Sacerdote. Na aurora da quinta-feira, a Alvorada (conjunto de toques específicos) é realizada pelo corpo de Alagbés da Casa.
A Iyabase e Iyasinjé, preparam uma farta mesa em homenagem aos Òrìsàs da Caça, nela haverá muitas frutas, bolos, mandioca, fruta-pão, batata doce, banana da terra, inhame e tantos outros pratos da tradicional culinária do Candomblé.

As Ayabas de Oya, preparam os animais que serão ofertados no Ojubo, dentro do Ile Òrìsà. Um grupo de Omo Òrìsà, fica no Ilé Òrìsà, aguardando a chegada da procissão do Ori Malu, enquanto outros Filhos de Santo, escolhidos em função de seus títulos e seus Òrìsàs, vestidos à caráter e de branco, perfilam-se rumo ao sítio no qual foi realizado o sacrifício do Boi, pelo Magarefe.

Ao chegar no sítio, o Ori Malu e algumas partes específicas do Boi, são depositados em um grande balaio, no qual consta um dos grandes segredos do ritual. Nesse balaio, há um conjunto de elementos e uma determinada folha, utilizada para receber o Ori Malu. Esse balaio será carregado por Ayabas de determinados Òrìsàs, ligados ao ritual. Outro elemento de fundamental importância, consiste na moringa que será carregada por Yemoja. Nesta moringa, há um grande segredo do ritual do Ori Malu, que não cabe ser compartilhado nesse texto. Os “Eran Petere”, serão cuidadosamente arrumados em um balaio, que também foi preparado com elementos sacralizadores. Após tudo devidamente arrumado, inicia-se a procissão rumo de volta à Casa de Candomblé.

Na Casa de Candomblé, ao somo do Agere (Toque de Evocação dos Deuses da Caça), os Alagbés, Egbon-mi e Ekejis, aguardam a chegada da procissão. Nesse momento, a chegada da procissão é enunciada por um cântico Yoruba, que elucida a importância do Ori, no ritual dos Caçadores. Com fogos, feijão fradinho torrado e muitas saudações à Ode, finalmente os “preparados” adentram a Casa de Candomblé.

Os filhos de santo, já manifestados pelos seus Òrìsàs, dançam com a obrigação envolta do Asè central do Barracão. A Grande Procissão do Rei da Nação dos Candomblés do Brasil, está sendo realizada à contento. Novamente, cânticos em louvor aos Deuses da Caça são entoados.  Após dançarem envolta ao Asè, uma nova cantiga é entoada, para apresentar à Ode, no Agbo de Òsóòsì o Ori Malu. Feito isso, o oro é uma vez mais, realizado, nesta ocasião no Agbo de Òsóòsì.
Realizadas todas as obrigações dos Òrìsàs, o farto café da manhã é ofertado em regozijo à todos presentes que, comungam com o Deus da Fartura.

Oke Aro!

Babalòrìsà José Carlos de Ibùalámo

9 comentários:

  1. sua bença pai jose carlos fico imençamente feliz em saber que pessoas maravilhosas como o senhor propaga conhecimentos importantissimo
    para o resgate de nossa querida religião afrobrasileira não deixando cair no banimento
    atos liturgicos tão importante aos nossos orisas
    e anos mesmo os aborisas parabens pai esta materia aqui postada é de imença valia a todos ,amim esclareceu uma duvida sobre o eran patere muito obrigado ass:toguntobésinã

    ResponderExcluir
  2. Bença Pai! Parabéns pelo excelente texto aqui postado. Seria de grande valor se todos os adeptos a religião cultivassem esse culto de tão grande valor e respeito. Júnior Logunede

    ResponderExcluir
  3. Mo Jùbá meu velho.

    Creio que este ritual seja completamente desconhecido por muita gente no Candomblé eu mesmo não conhecia. Parabéns por preservar as tradições utéis e por divulgar pra que certos fundamentos não caiam no esquecimento.

    ResponderExcluir
  4. Aldeia de Ogun
    Obrigado por acompanha nosso blog, aguarde novas postagem.

    ResponderExcluir
  5. Junior obrigado que babami logun-ede ti abençoe

    ResponderExcluir
  6. Dofono,
    Este ritual hoje muito pouco realizado, mas ainda temos ase que realiza-se, aqui no ase já realizamos, mas devido a urbanização no entorno do ilê ase, os sítios com criação de Malu não existe mais.

    ResponderExcluir
  7. Oi meu padrinho do INTECAB, que lindo ne, so que esssas coisas estão se perdendo no tempo, temos que resgatar esse fundamentos especifico ao nosso orisá Odé.
    Um forte abraço.

    Meu Mojuba Baba.

    Ivan de Odé
    Coordenador do INTECAB
    Baixada Santista.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelo blog, parabéns pelo belo trabalho que o Senhor desenvolve em sua casa,com biblioteca ..projeto social e tudo mais...amo o candomblé e pessoas como o Senhor realmente fazem a diferença....abçs!!!

    ResponderExcluir
  9. Por favor, me responda. Gostaria de saber para que serve somente a cabeça de boi, compra em açougue ? Vi uma pessoa comprando 03 cabeças de bois no açougue e dizendo que queria com cerebro e tudo mais, para fazer um trabalho. Para que serve esse tipo de trabalho?? Grata.
    Daniela.

    ResponderExcluir